Com vista a facilitar o processo de pagamento de diversos serviços, o governo angolano aprovou ontem, em reunião do Conselho de Ministros, a estratégia do sistema de pagamentos móveis, que vai permitir aos cidadãos realizar essas operações através de um telemóvel.

De acordo com ministro das Telecomunicações de Angola, José Carvalho da Rocha, o decreto presidencial que aprova o sistema de pagamentos móveis de Angola foi aprovado com o objectivo de se colocar à disposição da população mais um sistema de pagamento assente nas redes de telemóveis. Permitirá a todos os que são detentores de um telemóvel efectuar algumas transacções, com o uso do dinheiro electrónico que há-de vir.

No Quénia há um sistema de pagamentos móveis que está a revolucionar o país. Trata-se do M-Pesa (M de móvel, e Pesa é a palavra nacional para “moeda”). Criado em 2007 pela gigante das telecomunicações Vodafone, o objetivo principal é tornar as transações mais rápidas e seguras sem a necessidade de recorrer à moeda real.

O governo aprovou ainda a servidão radioeléctrica de Angola, uma zona de exclusão, que deverá ser feita na comuna da Funda, município de Cacuaco, nos arredores de Luanda, local onde está a ser construído o Centro de Emissão e Controlo do Satélite Angosat.

Segundo o ministro, a servidão radio-eléctrica vai evitar a emissão de radiações eletromagnéticas, estando em funcionamento o referido centro, que interfiram nos sinais a serem emitidos pelo satélite. “Este diploma vem de facto proteger aquela região e também irá proteger outras regiões, onde forem construídos centros da mesma natureza, porque estamos a prever que num futuro distante o país terá necessidade de construir centros redundantes àqueles que nós temos na Funda e naturalmente precisamos de proteger essa região”.

O Dinheiro Electrônico é, na maioria dos casos, equivalente ao papel-moeda e é trocado pelos bens e serviços que o indivíduo deseja adquirir. E permite criar correntes de comércio entre indivíduos e empresas de todos os cantos do mundo.

José Carvalho da Rocha, adiantou que sobre o satélite angolano o centro está pronto e estão em formação os quadros angolanos para a colocação do satélite em órbita, o que deverá acontecer ainda este ano. “Aquilo que são as nossas obrigações no contrato, da parte angolana, felizmente estão todas terminadas. Nós vamos fazer tudo – sabe que estamos a tratar de questões técnicas muito delicadas – mas posso garantir que este ano teremos o Angosat em órbita”.

Há uma série de vantagens nos pagamentos por telemóvel. Uma delas é que elimina os perigos de se circular com papel moeda. Outra vantagem é que normalmente é facilmente convertido em outras moedas, que por sua vez, facilitam em muito as viagens a passeio e negócios internacionais.

“As novas tecnologias estão a mudar as rotinas da sociedade, e o continente africano não é exceção“.

Procedência: Jornal de Angola, MenosFios

0 comentários:

Enviar um comentário

 
Subir