Music On com Eddy Flow: "No momento o circuito era tudo fechado, cresci como testemunha de Jeová e não queria levar muito a cena da música"

Neste Sábado 25 de Novembro o nosso programa Musi On "O Seu Programa De Entrevista" teve como convidado o membro Zone Muzik, conhecido artisticamente como Eddy Flow.

Edson Kizomba, conhecido artisticamente como Eddy Flow, é um jovem residente em Luanda amante de arte desde o princípio da sua juventude e hoje membro da label musical Zone Muzik. Kizomba, alem da área musical que por ela é reconhecido no que concerne o Hip Hop Angoano, explicou também que já fez parte do movimento LevArt e participou em uma das temporadas da União dos Escritores Angolanos.

Carreira

A sua paixão pelo movimento no qual faz parte, Hip Hop, surgiu consoante a máxima escuta de músicas do mesmo movimento. Segundo Eddy como fazedor, tudo surge em 2004 quando começa a fazer freestyles e escrever músicas que infelizmente se encontravam guardadas por falta de valores monetários para gravar em um estúdio de alta qualidade, mas quando até certo momento por motivos académicos em 2005 dá a sua introdução ao Macarenco que na época era a escola do Hip Hop em Angola. Local onde encontrou e associou-se com pessoas de diferentes categorias do movimento como, Djs, Graffites, B-Boy, freestyleros e produtores. Onde ainda, também encontrou colegas que já tinham estúdio no Hoji Ya Henda que serviu para as primeiras gravações.

"No momento o circuito era tudo fechado, cresci como testemunha de Jeová e não queria levar muito a cena da música, não para se afirmar no mercado como um artista, era mais porque amo o Hip Hop sei fazer isso e estou aqui, disse o rapper em relação a sua óptica na fase inicial da sua carreira."

Eddy Flow acrescentou ainda que com o tempo foi sendo consumido pela música, a partir daí tomou a decisão de dar o seu contributo e deixar o seu legado, assim procurando lidar com os melhores do movimento Hip Hop na era. Pelos seus freestyles durante a caminhada nas ruas de Luanda, por um desconhecido foi chamado e apresentado em um dos melhores productores na época, Mad Super Star, com qual em seguida trabalhou em músicas já com qualidade e quase uma mixtape. Isto em 2009.

Já no final do mesmo ano para o ano seguinte, com o desejo de ser reconhecido dentro do movimento Hip Hop Eddy não parou por ai, e assim apostando nas promoções sentiu a necessidade de ter as suas músicas mais além dos envios bluetoophs e sim também nas rádios e Tv`s, facto que por via de um ex-colega se tornou realidade e resultou em reconhecimento e valorização por parte dos ouvintes.

Eddy Flow ressalvou que passou a considerar-se como rapper profissional desde o momento que começou a trabalhar com pessoas profissionais.

"Se tu trabalhares com pessoas sérias e investir naquilo que queres, não vai ser tão difícil assim! As pessoas não nascem com um nome, as pessoas fazem crescer o nome. Como é que tu queres que o teu nome cresça se não investes... Se não trabalhares, se não investires, não trabalhares com pessoas sérias, tu não vais esperar um base vindo do céu, tu tens de investir naquilo que queres."



O Hip Hop Angolano

Durante a entrevista questionado o tipo de sentimento que tem sobre o Hip Hop, Eddy Flow disse viver isso todos os dias e considerou-se maluco do mesmo. Eu escrevo músicas nas ruas, ando a fazer movimentos de Hip Hop, calças em baixo, eu sou Hip Hop, vivo Hip Hop, disse o rapper.

Acrescentou Eddy Flow que, mesmo que cante num instrumental fora do movimento, para sempre será Hip Hop/rapper.

Saudável - Doente - Morto, essas foram as três opções questionadas ao rapper sobre o estado actual do movimento Hip Hop angolano, mas que infelizmente doente foi a resposta do rapper, o que se resume a existência de um movimento não completo. Em particular o RAP está bom pelo maior número de lançamento e consumidores, diferente dos tempos anteriores essa sendo a melhor fase, disse o Flow.

"O Hip Hop está doente, o Hip Hop nunca teve tão saudável assim. Maior parte dos grupos de Hip Hop não tinham Djs, nunca foi totalmente saudável, sempre teve um défice!"

Depois de ter pronunciado que o RAP está bom pelo número de lançamento e consumidores que actualmente tem, Eddy Flow não deixou escapar e acrescentou ainda que apesar disso há qualidade em falta, rappers de qualidade, qualidade de rimas, mensagens, métricas e beleza textual.

Para o convidado, não basta se inspirar em alguém sem saber fazer, a inspiração não é imitação, é almejar, usar alguém de espelho para tu seguires ou atingir os teus objectivos.

Actualmente pelos constantes trocadilhos destacados nas suas faixas, pela sua maneira de compôr, o membro Zone Muzik é chamado King das Barras, questionado por isso pelo Musicomania News, Eddy afirmou ter várias maneiras mas que apenas usa esses mesmos trocadilhos quando forem músicas de EgoTrip, auto-estima. Diante desta afirmação não deixou de acrescentar que apesar disso ser mais amante de músicas de contos. Eddy aproveitou ainda o momento para esclarecer o seu respeito para com Abdiel.

"O rapper respeitado em termos de fazer músicas, de punchlines, em Angola é o Abdiel. Porque ele tem mais de 10 mixtapes e tudo na mesma onda e vertente de barras, faz isso há 10 anos. O Abdiel continua ai intacto com os fãs dele fies e continua fazer a cena, ele não tem uma só maneira de escrever."

 - Ready Neutro só fez isso 2 ano e acabou, teve uma exceção e uma queda brusca!

"Se tu tiver só uma maneira de escreveres aborreces, duplo sentido é a coisa mais fácil de fazer e é aborrecido. Agora, pôr a beleza textual é que difícil, e é isso que eu procuro em mim. Eu trago métricas minhas, formas de acentuação rimáticas minhas."

Eu sou a continuidade da inovação do Abdiel, um Abdiel reformado. As pessoas vão me ver nesse contexto porque não vai ter uma outra explicação se não frisar alguém que já faz isso há anos, disse o rapper durante a entrevista.

Questionado sobre os rappers que merecem o seu respeito dentro do Hip Hop angolano, o entrevistado preferiu não pronunciar. Acrescentou ainda que não faz músicas por fama, mas sim por credibilidade nas ruas, respeito.


Sobre a música Jajão

Ainda durante a entrevista falando sobre a música Jajão que contou com autoria de Master Jake e sua participação, Eddy Flow diz ser a partir deste momento que começou a viver já não só como um rapper mas sim como um artista, viver a música ao mais alto nível na europa. Considerou a música como um hit eterno, marco histórico na sua carreira.

Recado

Para quem está no movimento, Edson Kizomba aconselhou a melhor maneira para expanção musical consoante o seu ponto de vista.

"Para quem está no movimento, para deixar de pedir batatinhas, tu tens que ter teu kumbu para gravar músicas. Hoje o veículo para as pessoas ouvirem as músicas é a internet, faz tuas cenas e manda na internet. Deixa de enviar músicas nos teus amigos porque pode ser o teu hater número 1, amigo tem sempre um sorriso falso!"

Recordar que durante a entrevista o mesmo anunciou que em Dezembro sai a sua mixtape intitulada Grão Mestre que encontra-se já em fase de mistura, mas ainda sem dia agendado.



Sem comentários