Music On com Os VagaBanda: "Conseguimos alicerçar uma amizade e irmandade, no grupo não existe melhor do que o outro"

Para preencher mais uma edição do programa Music On "O Seu Programa De Entrevista", tivemos como convidado o grupo musical composto por Heroy e Puto Mira, Os VagaBanda. Os convidados falaram da base do seu surgimento, experiências adquiridas e mais detalhes sobre o grupo do princípio até o momento actual no que diz respeito a carreira.

Surgimento do grupo no mercado musical...

Segundo o grupo, o nome foi extraído de uma novela de nome Malhação. Após terem explicado a origem do nome "VagaBanda", os mesmos ainda explicaram como originou a dupla feita pelos dois.

O Heroy já cantava, mas não havia um sucesso individual, e desde que se juntou a mim originou o sucesso e formou-se Os VagaBanda. Isso só aconteceu porque antes eu já era bailarino e cantava noutro grupo, disse Puto Mira.

O Mira na altura era bailarino do Paraíso dos Nirvanas, eu conhecia o Paraíso, e por intermédio dele conheci o Mira... Fomos nos conhecendo, uma vez viajamos pelo Kwanza Norte e o Mira cantou, foi dropando que eu falei esse ndengue tem talento, puxei e gravamos a primeira música no malogrado Bodo G com título Matuba Yoyo, disse Heroy.

Questionado como é trabalhar em grupo e em particular um com outro, os integrantes não hesitaram e afirmaram haver irmandade, humildade, amor e respeito, tendo como um dos grandes desafios diário lutar contra o amadurecimento do orgulho no seu seio.

"Nós conseguimos alicerçar uma amizade e irmandade, no grupo não existe melhor do que o outro."


Notoriedade do grupo no mercado musical...

Os mesmos esclareceram que todo sucesso apareceu desde o momento da junção entre os dois a partir da primeira música "Matuba Yoyo", foi a partir deste momento que se fez sentir a presença do grupo no mercado nacional.

Acrescentando, mesmo com vários sucessos no mercado musical o grupo reconheceu como seu maior sucesso a música "Do Manganza", música esta que felizmente os tirou de um patamar para outro.

Nós trabalhávamos com a Xando Produções, deixamos ele e ficamos a trabalhar por conta própria. Normalmente quando você deixa de trabalhar com um productor a tendência é fracassar ou ficar perdido, e muitos pensavam isso... Mas graças a Deus, gravamos o "Do Manganza" e estourou. 
Talvez conseguimos manter isso (sucesso), porque muito antes de nós conhecermos a Xando Produções já fazíamos sucesso, a gente já sabia lidar profissionalmente.

Experiências adquiridas e reintrodução do grupo no mercado...

Para o Heroy, são várias experiências adquiridas durante os anos de sucesso, quando anos atrás já tinha seus próprios meios conseguidos por via da música e hoje ter que se submeter a andar de transportes público. Mesmo se deparando com situações negativas, desmoralização e no meio de pessoas que chegam a tentar por baixo, há sempre alguém que levanta o seu auto-estima.

Ainda dentro do assunto, VagaBanda aproveitou o momento para deixar agradecimentos ao Costa dos Tuneza, este que segundo o grupo felizmente já mostrou o seu lado bom ajudando para mais um passo progressivo na carreira.
Posso dizer que aprendi muito com a fama, me ensinou a ser humilde, me ensinou a perceber como são as pessoas, que a fama é simplesmente fama, que ela não é minha vida pessoal, hoje olho para trás e digo se não estou bem é porque ainda não é o momento para estar. Cresci muito com erros cometido no sucesso, hoje não me sinto a mesma pessoa e estou a trabalhar não muito pela fama, mas para viver daquilo que é a música, disse Puto Mira.
"Não aconselho ninguém a se atrapalhar com a fama."

Após muito tempo ausente no mercado, foi necessário por parte dos mesmos resumir como está ser a reintrodução do grupo dentro do mesmo.

Segundo os artistas, graças a Deus a recepção tem sido positiva, isto pelo enorme número de props, boas mensagens recebidas após o lançamento da recente música "Gringo". Para o grupo, independentemente de ser Os VagaBanda, é necessário estudo e análise, investigar o que o povo quer e ter uma convicção exacta de que o producto está preparado para o consumo.

Nós fomos buscar um instrumental antigo que já fez sucesso, dos Caixa Baixa, mas dentro desse mesmo instrumental a gente conseguiu colocar coisas actuais, que é Gringo. A ideia é que faz o sucesso e nós tivemos essa.



Aparecimento do integrante Puto Mira com músicas a solo...

Durante ausência do grupo no mercado musical e muito antes do lançamento da recente faixa mencionada atrás, o integrante Puto Mira reapareceu com músicas a solo que por um tempo originou críticas e difamação de ser o fim da dupla com Heroy e o grupo, Os VagaBanda. Em entrevista ao site Musicomania News, Mira esclarece os motivos que lhe levaram a referida prática.

Antes de saírem essas músicas eu já tinha músicas gravadas de Ghetto Zouk faz tempo e nunca saíram, sempre que eu tive que meter o pé saía sempre um sucesso dos VagaBanda. Ghetto Zouk é a coisa que eu fui notando que além do Kuduro eu posso fazer. A minha alma cobrava, sempre que eu levantava dizia quero fazer algo além do Kuduro, e vi que posso
No príncipio tinha medo... É bem normal que os fãs vão sentir ciúmes porque são ouvintes de estilos diferentes, mas os ouvintes mais inteligentes vão perceber que é bom.
Quando vou fazer um outro estilo, tenho de procurar fazer bem de mesma forma que faço no meu estilo habitual, de momento algum achei que o meu grupo vai destruir, e só isso que eu fiz, hoje Os VagaBanda estão a ser visto diferente no mercado, as pessoas conseguem olhar... Esses são músicos completos!
Fui ganhando experiência que música não é só Kuduro, e hoje por eu aprender muita coisa já sei por onde vou parar com a música.
Para o colega Heroy, independentemente de tudo sempre deu a sua força e continuará a torcer pelo sucesso do mesmo. O artista reconheceu o talento do colega em relação ao outro estilo e afirmou de que tem de terminar o que começou.

Saber o que a gente quer, é a principal frase usada pelo grupo como conselho para os demais fazedores de música e não só.



Sem comentários